6 de fevereiro de 2017

História da Moda: trajes gaúchos

Tem alguém melhor que esse homem para abrir esse post? CLARO QUE NÃO! Gaúcho da Fronteira, capa do disco Gaita Companheiro de 1984.



Minha família veio do Rio Grande do Sul para São Paulo (muitos ainda moram lá), logo, meu interesse pela cultura gaúcha vem de berço. Cresci no meio de churrascos regados à música tradicional gaúcha e chimarrão. Quando eu era criança, frequentávamos o CTG (Centro de Tradição Gaúcha) da minha cidade (Sorocaba). Sempre gostei das danças típicas, dos cavalos e do carreteiro. E logicamente, o que sempre me chamou mais atenção foram os trajes. 

Um pouco da história da vestimenta gaúcha

Claro que as primeiras vestes possuíam o traço europeu de nossos colonizadores. Trajes de religiosos e de soldados foram dados aos nossos índios. Para os homens, portanto, fardas e ponchos eram as roupas mais vistas, mas também haviam aqueles que usavam o chiripá (uma espécie de saia que ia até os joelhos) e o cayapi (usado nas costas e feito de couro de boi, onde os pelos ficavam virados para dentro e a pele para fora). Para as mulheres, havia um vestido longo feito de algodão conhecido como “tipoy”. Elas também faziam o uso do chiripá.

A partir de 1730 a identidade da indumentária gaúcha começou a se formar. As classes sociais eram bem definidas pelas vestimentas. Os estancieiros vestiam-se como os europeus mas nessa época já passaram a usar a bota de garrão de potro (que, apesar do nome, era geralmente feita de couro de burro, égua ou boi), o famoso lenço no pescoço, além do pala indígena (de algodão ou lã nas épocas frias ou de seda nas épocas quentes), tira de pano na cabeça e chapéu. Suas mulheres usavam botas com meias acompanhadas de vestidos longos feitos de seda ou veludo, com xale por cima e leque. 

Já os peões usavam roupas que protegiam o corpo e facilitavam suas atividades com gado e à cavalo. Aqui entra novamente o chiripá acompanhado de pala. Havia um cinturão, chamado guaiaca, com compartimentos para carregar moedas, fumo, dinheiro e armas como pistola, adaga e facão. Na mão portavam lança. As vezes, utilizavam uma camisa feita de algodão e cadarços nos punhos, de mangas largas e gola grande. 


Surge aqui o poncho gaúcho, de formato arredondado com gola alta, feito com lã, geralmente de cor azul escuro, com forro. Nos pés, as mesmas botas garrão-de-potro. As esporas ainda eram estilo as europeias (nazarenas), mas entravam no jogo também as americanas (chilenas). Na cabeça usavam fita indígena para prender os cabelos e um lenço amarrado na nuca. Quando usavam chapéu era feito de palha, feltro ou couro cru (conhecido como pança-de-burro), preso no queixo ou no nariz.

A mulher rural usava saia comprida e rodada em tons escuros e blusa clara. 

chiripá
Depois de 1820 surgiu uma nova versão do chiripá, que se assemelhava a uma fralda gigante e era passada pelo meio das pernas. Surgiu também o “chiripá Farroupilha” que cobria o joelho.
Nessa época, eles passaram a usar uma jaqueta fechada por grandes botões. Os lenços no pescoço eram feitos de seda (geralmente vermelho ou branco e, em casos de luto, preto – que com o passar dos dias era substituído por um com padronagem de petit pois ou xadrez). 


A mulher passou a usar um casaco rendado e pernas cobertas por meias. Os cabelos ficavam soltos ou trançados quando a mulher era solteira ou preso em um coque para as senhoras. Os sapatos eram fechados. Os acessórios eram broches, camafeus e fichú (espécie de lenço de seda ou crochê, fechado com broche). 

Exemplo de bombacha

A partir de 1865, surge a famosa bombacha – calça presa nos tornozelos por botões -, trazida ao Brasil através da Guerra do Paraguai. Ela podia ser feita de brim, linho, tergal ou algodão, bem como pela mescla desses tecidos. Mas por algum tempo, usar bombachas em baile era desrespeitoso. Em cada área, a bombacha tinha sua própria característica: na Fronteira eram largas, usadas com faixas; na Serra eram estreitas; e havia uma média usada no Planalto. Tinham cós largo, mas sem alças para passagem de cinto, com dois bolsos grandes dos lados. Para o trabalho, as cores eram escuras e, para as festas, eram claras.  O uso de colete também foi comum em ambientes mais respeitosos.

Pilcha
É o traje oficial, tanto para homens como para mulheres, desde 1989, aprovado pela Lei Estadual da Pilcha. Tem uso preferencial em ocasiões formais e pode substituir trajes sociais no Rio Grande do Sul (até em atos públicos). Por isso, há recomendações a serem seguidas, dadas pelo Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG). São separados em três trajes: Pilcha para atividades artísticas e sociais; Pilcha Campeira e Pilcha para a prática de esportes. 

vestes masculinas

Pilcha masculina
Composta por bombacha, camisa de cores sóbrias ou claras – manga curta para ocasiões informais e comprida para as formais, lenço no pescoço – que pode ter oito tipos diferentes de nós -, pala, bota – menos na cor branca -, guaiaca, esporas, tirador (espécie de avental), colete, chapéu com barbicacho, paletó e faixa (tira de pano usada na cintura para prender a bombacha).

Figurino da série A Casa das sete mulheres, da Globo.

Pilcha feminina
Composta por vestido (ou saia e casaquinho), saia de armação, bombachinha (caça feminina que vai até os joelhos), meias longas, sapatos (pretos, brancos ou beges) e acessórios: fichú, xale, brincos discretos, anéis, camafeu ou broche, capa de lã ou seda, leque, faixa de prenda ou crachá e chapéu em ambientes abertos. 


Prendas
A prenda (mulher gaúcha) tem a vestimenta que mais me chama a atenção. O vestido deve ser preferencialmente de uma peça só, com a barra da saia batendo no peito do pé. Não pode ter decote. É obrigatório o uso de bombachinhas na altura do joelho. As mangas vão até os cotovelos, ¾ ou até o pulso. O lenço cruzado no peito não é obrigatório, mas tem uso comum. O acompanhamento de fichú também é opcional, assim como o xale. Meias devem ser longas e brancas ou coloridas, nunca transparentes. O sapato tem que ter salto cinco ou meio salto e precisa ser abotoado por fora, com uma tira que passa por cima do pé. Cabelos soltos ou trançados, adornados com flores e fitas. Brincos podem ser de argolas ou feitos de metal, é proibido que seja feito de plástico, a mesa regra vale para as pulseiras. Não se usa colar. A maquiagem é discreta, não podendo ter sombras coloridas, delineado forte e batom roxo. Sem relógios de pulso e sem luvas. 

dança típica
dança típica
Cena de casamento de A Casa das Sete Mulheres

Nenhum comentário: