29 de janeiro de 2017

História da moda: Anos 40

mulheres na década de 40
A Segunda Guerra Mundial acabou por limitar a quantidade de tecidos que podiam ser vendidos, pois muitos deles eram destinados à fabricação de artigos de guerra como uniforme para os soldados e paraquedas. A escassez fez com que a silhueta feminina fosse masculinizada, inspirada no estilo militar. Foi comum o uso de duas peças feitas de tecidos simples. Saias justas e casacos com bolsos e golas coloridos ajudaram a dar graça aos trajes da época. Calças e macacões foram muito usados por elas, principalmente para trabalhar.
 
 
A falta de cabeleireiros fez com que mulheres começassem a investir no uso de turbantes, lenços e redes no cabelo, além dos sempre presentes chapéus. E as meias de nylon, queridinhas na época, foram substituídas por riscos na perna que imitavam costura. 
 


Nos sapatos, a plataforma reinou e as bolsas eram geralmente penduradas no ombro, para facilitar o transporte com bicicleta. 
 
O fim da guerra em 1945 trouxe o pronto-para-vestir com a produção de roupas em escala industrial de diferentes tecidos e tamanhos, afetando a Alta Costura. Quando as consequências da guerra começaram a sumir, Paris conseguiu se reerguer. Surgiu a exposição Le Théâtre de La Mode que viajou o mundo, divulgando as coleções de marcas como Balenciaga, Balmain, Dior e Givenchy.

Foi aí também que apareceu o biquíni, criado por Louis Réard, batizado com esse nome por causa do bombardeio atômico na ilha de Bikini, no Pacífico. 
Biquíni, criação de Louis Réard

Data de 1947 o famoso New Look, criado por Christian Dior para resgatar a feminilidade da mulher. Caracterizava-se por saia rodada, cintura marcada, ombros e seios naturais, luvas e sapatos de salto alto. 
New Look criado por Dior
Para os homens, as calças eram largas e de cintura alta, usadas com longos paletós, chamadas de ternos zoot. Por causa da escassez de tecido, os coletes pararam de ser usados. Suéteres eram vestidos por cima de camisas com colarinho para fora e gravatas para dentro.
 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário