21 de setembro de 2018

Resenha: Märchenmond - Os Filhos das Terras Sombrias, de Wolfgang e Heike Hohlbein

resenha Märchenmond

Eu comprei esse livro há muitos anos, numa promoção do Carrefour entre os produtos em oferta. A resenha da contracapa chamou a atenção da minha mãe, que sabe do meu gosto por fantasias e logo me mostrou o livro. Olhei, gostei e comprei, mas a primeira tentativa de ler não me prendeu a atenção o suficiente e abandonei o livro. Só retomei num dia do ano passado em que eu estava precisando de uma historia fantasiosa e diferente e logo lembrei de Märchenmond: Em busca das Terras Sombrias. Märchenmond é uma trilogia alemã composta pelos livros A Terra das Florestas Sombrias, Os Filhos das Terras Sombrias e Os Herdeiros da Floresta, escrita por Wolfgang e Heike Hohlbein no início dos anos 80. Devo dizer que comecei a ler errado, direto no segundo volume da série (Os Filhos das Terras Sombrias), mas isso não afetou meu entendimento da história, o único problema foi não conhecer os personagens que iam reaparecendo no segundo livro e já eram velhos conhecidos dos protagonistas. Mas conforme vamos lendo, vamos também entendendo sobre quem são, suas características e personalidade. Mas vamos ao mais importante: o que achei do livro ao terminar a leitura? Separei em dois tópicos importantes antes de dizer se recomendo ou não:

 

O enredo

A história não me prendeu no começo, mas de cara já descobrimos que Märchenmond é tipo uma Nárnia: um mundo paralelo, com tempo e personagens diferentes. Esse foi um dos pontos que me atraíram para a leitura, pois: apaixonada pelas Crônicas de Nárnia. E acontece isso mesmo: o personagem principal, Kim, de repente consegue entrar nesse mundo paralelo, chamado Märchenmond, onde existem reis, príncipes, anões, dragões e outras criaturas fantásticas.

Uma coisa que me surpreendeu foi o final. O livro consegue manter o mistério principal sem solução até suas últimas páginas. E eu juro que imaginei mil e um motivos para explicar o tal mistério e nenhum chegou perto do que aconteceu.

resenha Märchenmond

 

A escrita

Não sei se foi problema de tradução, mas eu me senti desconfortável com a construção de algumas frases, que não fizeram muito sentido, sabe? Mas como disse Stephen King em seu livro Sobre a Escrita, a gente tem que ler de tudo, seja bom ou ruim. E Märchenmond não chega a ser ruim, tem uma história boa, só achei mal escrito (ou, volto a repetir, mal traduzido. Não entendo nada de alemão para saber).

Não espere diálogos impactantes e revolucionários. Todas as falas são muito simples.

Uma coisa que me incomodou muito foram os momentos de virada da história. Sabe quando o personagem fica entre a vida e a morte e então alguma coisa muita louca acontece para salvá-lo? Então, Märchenmond peca demais nesses momentos. Antes do grande acontecimento SEMPRE tem frases como “e então, o milagre aconteceu” ou “o inesperado aconteceu”.

Para quem estuda escrita criativa, que nem eu, o livro traz muitos ensinamentos, principalmente sobre descrições. Você consegue imaginar a cena, as cores, sentir o cheiro e a textura somente lendo. Não tem descrição demais, a criação dos personagens fica por conta da imaginação do leitor, com um pequeno empurrão dos autores, tudo no ponto certo.


Resumão: Märchenmond tem uma história muito boa, um final que surpreende, com muitos bons exemplos de escrita criativa, porém com diálogos fracos e muitas frases mal escritas. Não é um livro que eu saio recomendando por ai, mas também não é um livro que eu falo logo “fuja, não leia isso não!”. Fiquei bem em cima do muro com ele.

Nenhum comentário:

Postar um comentário