14 de março de 2014

PRECISO falar sobre Bowie

*Fotos não eram permitidas, peguei algumas que encontrei pela internet para ilustrar esse post =)*

Única foto que eu pude tirar por lá, na entrada do Museu





É claro que a parte mais importante da minha ida a São Paulo no dia 12 de março foi o show do Avenged Sevenfold que aconteceu no Espaço das Américas. Ter um show da minha banda preferida no Brasil apenas um dia depois do meu aniversário fez de mim uma pessoa muito mais feliz.

PORÉM, antes de falar sobre o show, quero falar sobre a exposição David Bowie no Museu da Imagem e do Som de São Paulo, que eu visitei dia 13.

Do meu medo do clipe de Life on Mars? quando eu era mais nova até a completa admiração por David Bowie levou certo tempo. Mas quando eu tive o prazer de conhecer melhor o grande artista que esse homem é, me surpreendi. Seja como ator, cantor, compositor, músico, revolucionário nas artes, ou qualquer outro atributo que possa descrevê-lo, Bowie é sempre um artista completo, cuidadoso com tudo que envolve sua carreira. Na mostra, é possível entender um pouco da mente brilhante desse homem, ver de perto 47 figurinos icônicos (a parte que mais me emocionou), conhecer seu processo de criação e ver um pouco de suas obras. Por vários momentos me vi com os olhos cheios de lágrimas. 
O toque especial ficou por conta dos fones de ouvido que pegávamos na entrada e mudavam os sons conforme você ia andando pelas salas. Logo na porta da exposição podemos ver o macacão de vinil Tokyo Pop, usado na turnê Aladdin Sane, feito pelo excelente estilista Kansai Yamamoto (que dá seu depoimento sobre sua parceria com Bowie durante um dos vários vídeos que podemos ver percorrendo a expo).


Durante a exposição é possível ver capas de discos, livros que inspiraram Bowie, obras de artes originais, cartazes de filmes (como Uma Odisséia no Espaço e Laranja Mecânica), bilhetes, chave de apartamento, rascunhos de músicas, músicas originas, partituras, instrumentos musicais, desenhos de cenários entre outras coisas. Tudo muito bem exposto e organizado. Alguns manequins onde os figurinos estavam possuíam os traços de Bowie e por vezes achei que poderiam ganhar vida e sair andando por alí, hehe.



Uma das partes que mais me encantou foi a sala cheia de espelhos contendo apenas um manequim e um telão. O manequim vestia o mesmo figurino e apontava para frente como Bowie fez ao apresentar Starman no programa Top of The Pops em 1972. Esse, aliás, era o vídeo reproduzido no telão atrás do manequim. Me senti como se estivesse no mesmo lugar que ele. Pra onde você olha, além de sua própria imagem refletida, vê também Bowie cantando no Top of The Pops. O efeito causado pelos inúmeros espelhos é sensacional!


Mais adiante, uma tela exibindo cenas de filmes que Bowie participou, com peças usadas por ele em longas (como o cajado de Jareth, de Labirinto ou o capacete que mais parece uma peruca de Warhol / Basquiat). Logo em seguida tem alguns outros figurinos de turnês. Me emocionou muito ver dois usados por ele em uma apresentação no Saturday Night Live, em 1979. A primeira foi a roupa gigante usada para tocar The Man Who Sold The World. Mas quase caí para trás ao ver a que ele usou em TVC 15, um uniforme de comissária de bordo chinesa, na cor azul, com saia e tudo. O principal, que eu realmente não esperava ver, foi o famoso poodle rosa que tem uma tela na boca. Pensar que Bowie vestiu aquelas mesmas roupas e fez história com elas foi sensacional!



Mas a sala mais legal era uma que tinha um telão circulando o ambiente, onde passavam apresentações de Bowie usando figurinos expostos logo abaixo. A riqueza dos detalhes das vestimentas são impressionantes! Fiquei muito tempo parada lá, só admirando. Os mais bonitos são da turnê Aladdin Sane, mas sem dúvidas fiquei mais emocionada por ver os figurinos de Ziggy Stardust (e mais pra frente, o próprio de Life on Mars?). Não sei nem explicar a sensação que tive quando me deparei com roupas usadas por Bowie na época de Ziggy. Pensei na história toda, na época toda. Quase chorei por mal acreditar que estava diante daquelas roupas! Só posso lamentar por não ter nascido pra ver isso na década certa, haha.  

Eu poderia ficar aqui falando sobre a técnica cut up usada por Bowie - e amplamente mostrada na exposição -, sobre filmes feitos por ele, comentar todos os figurinos expostos, mas vou parar por aqui e deixar esses assuntos para posts futuros, afinal esse aqui já está extenso demais! Volto depois pra contar sobre o show, só preciso me “desapaixonar” um pouquinho do Bowie pra conseguir escrever sobre isso! :D

A exposição foi organizada pelo Victoria and Albert Museum de Londres e está no MIS até 20 de abril de 2014. RECOMENDO MUITO!

Nenhum comentário: