10 de abril de 2013

Versão Feminina



E eu me lembro tão bem daquela noite, como se tivesse acontecido ontem. Lembro do seu cheiro, do seu olhar, do seu sorriso, dos seus convites e do seu “oi” dito todo feliz. Lembro tão bem, tão claramente. Lembro da sua voz, e que bela voz! Lembro também que naquele dia tomamos alguns drinks, separados, é verdade. Lembro de você alí, tão próximo, observando enquanto eu me embebedava. Alguns outros homens vinham me passar cantadas pobres em significados. Outros passavam seus números de telefone. Eu sorria, involuntariamente, culpa do álcool. E em seguida eu os afastava com algumas palavras, porque naquele lugar só me importava você. E você me observava, via os outros se aproximando, via eu os dispensando... e saber disso me fazia sorrir mais, sem que você soubesse que era seu olhar o verdadeiro motivo. Talvez você tenha pensado que minha felicidade tinha por nome álcool, ou que eu apenas me divertia porque estava dançando, embaladíssima pelo som daquela madrugada.

Mas sabe qual a parte mais mágica de tudo? No fundo nós sabiamos que aquele dia não daria mais pra você ou eu fugirmos da situação. Era inevitável. 

Aí que depois da festa acabar eu me desvencilhei de seus olhares e tentei fugir. Contra minha vontade, é verdade, pois a bebida no meu sangue apenas intensificou os meus desejos mais secretos. E fugir também teve como culpa a bebida, eu já não respondia apenas por mim, sentia medo de tudo aquilo. Mas você me achou, ainda não sei como. E eu vi desejo nos seus olhos. Eu senti minha pele se arrepiar a cada toque seu. E eu só pensava em quanto esperei por aquilo. Eu só agradecia aos céus que tudo estava acabando da maneira que eu queria que acabasse. No íntimo eu já sabia que essa hora ia chegar. E eu estava lá, vivendo ela. Antes eu apenas fantasiava isso tudo, agora finalmente estava acontecendo. 

Me recordo que mais tarde, depois de juntarmos nossos corpos, eu dormi envolta por seus braços. Lembro de acordar e ver o sol nascendo lá fora. De sorrir te vendo dormir tão tranquilamente. Das conversas durante nossos carinhos trocados. Da identificação tão forte que tivemos, de como descobrimos que temos ideias parecidas. Foi um misto de coisas selvagens e profundas. A melhor definição talvez seja essa: inexplicável. Lembro de você pedindo para que tudo se repetisse. E eu concordando. Lembro das loucuras durante a noite toda e também das que aconteceram ao amanhecer. E durante o dia. O desejo incontrolável. 

Lembro tão bem que ainda te sinto aqui e sinceramente não sei porque nos afastamos assim. Acho que no fundo você pensou que eu fosse igual as outras meninas. Ou que sonho com um princípe encantado ou um relacionamento sério. Só queria poder te dizer: “relaxa, a vida pra mim também é uma aventura”. Afinal, eu nada mais sou do que uma versão feminina sua. ;)

"Minha força não é bruta, não sou freira nem sou puta
Porque nem toda feiticeira é corcunda, nem toda brasileira é bunda
Meu peito não é de silicone, sou mais macho que muito homem"

Nenhum comentário:

Postar um comentário